7 perguntas que as religiões não-reencarnacionistas não respondem!

Observação: As questões abaixo partem da premissa da existência de um Deus perfeito, infinitamente Justo e Misericordioso


1. Por que algumas pessoas já nascem defeituosas ou doentes e outras não? Seria justo que Deus fizesse pessoas sofrerem, desde o nascimento, por algo que elas não fizeram, ou pelo que outras pessoas fizeram?




2. Como Deus poderia ser considerado perfeito, se Ele mesmo, um dia, deixasse de praticar uma das virtudes mais importantes, o perdão, condenando milhões de pessoas ao "inferno"?

3. Se Jesus nos ensinou a perdoar infinitamente, como é que o próprio Deus, que é perfeito, não teria esta virtude?




4. Seria justo uma pessoa que cometeu crimes durante toda sua vida, matou, estuprou, etc; ser totalmente perdoada mas não pagar por seus crimes porque se arrependeu nos últimos minutos de sua vida?



5. Como explicar a falta de proporcionalidade da Justiça Divina, ao aplicar a mesma pena (eterna) a todos os que fossem condenados no "Juízo Final", independente da gravidade dos seus crimes? Além disso, onde está a proporcionalidade em punir alguém com uma pena eterna pelos erros cometidos no curto espaço de uma vida?


6. O que acontece com as crianças que morrem novas? Seria justo elas irem para o "céu" sem nada terem feito para merecer, enquanto milhões têm que enfrentar uma vida inteira para conseguir tal benefício?

7. Se houvesse a Ressurreição, o que aconteceria com as moléculas e átomos que compunham nosso corpo, mas que também fizeram parte do corpo de uma outra pessoa no passado? A qual corpo pertenceria tais moléculas? Além disso, se temos uma alma e vamos viver no Plano espiritual após a morte, por que precisaríamos do corpo material?


Obs.: As respostas estão postadas individualmente nos próximos arquivos!

Um comentário:

Marina Bezerra disse...

Que enxergue a verdade quem tem olhos inteligentes e não "cegos".

Este tópico é simplesmente demais!